Você já sofreu algum trauma ortopédico?

Todos nós, desde a infância, estamos sujeitos a quedas, batidas e acidentes capazes de causar machucados e lesões que podem prejudicar nossa mobilidade, de forma pontual ou permanente. Esses machucados são chamados de traumas ortopédicos, e precisam de cuidados e atendimento. São exemplos comuns de traumas ortopédicos: fraturas nos quadris, entorses do punho, joelho, tornozelo, luxações, etc. Esses traumas podem ser de baixa energia ou de alta energia. Traumas de baixa energia costumam ser decorrentes de acidentes domésticos e quedas simples. Já os traumas de alta energia costumam acontecer em acidentes de carro, colisões esportivas em competições de alto nível e quedas de grandes alturas.

De modo geral, é considerado um trauma ortopédico toda lesão muscular, no tendão, ligamento ou uma fratura. Essas lesões podem ser divididas em quatro tipos:

  • Contusão – lesão traumática do tegumento, sem ruptura da camada da pele.
  • Entorse – lesão torcional das partes moles de uma articulação, que pode ou não comprometer em graus variáveis a estabilidade articular.
  • Fratura – lesão em que existe solução na continuidade óssea. As fraturas podem chegar a ser expostas, quando o impacto é tão grande que rompe músculos e pele, ficando o osso exposto ou em comunicação com o meio externo.
  • Luxação – lesão ligamentar em que existe perda parcial ou total da relação normal entre os ossos que compõem uma articulação.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico correto do trauma ortopédico precisa ser feito necessariamente por um médico, que além de analisar o aspecto e a história do paciente, também pode pedir exames auxiliares, como radiografias, ressonâncias magnéticas, tomografias e outros, para descobrir exatamente qual foi a lesão, qual sua extensão e decidir o melhor tratamento. Por isso, é extremamente importante que o paciente busque atendimento o mais rápido possível após perceber sintomas das lesões, como dores e dificuldade para movimentar a área machucada.

TRATAMENTO

O tratamento das lesões vai depender da gravidade. No caso de torções (entorses) simples, muitas vezes é possível tratar com imobilização da área lesionada, repouso e medicamentos para dor, caso exista. Em casos mais graves, como as luxações, pode ser necessário realizar cirurgia e tomar muito cuidado com esforço, mobilidade e riscos no pós-operatório. Em muitos casos, mesmo depois da cirurgia, o paciente ainda precisa de fisioterapia por um longo tempo e acompanhamento médico frequente para reabilitar a área lesionada.

Todos os casos, dos mais leves aos mais graves, necessitam de atendimento e cuidado. Em casos de traumas ortopédicos, vá imediatamente ao médico!