Artrose e Qualidade de Vida

Os brasileiros estão vivendo mais, isso é fato! Mas como envelhecer com mais qualidade de vida?
Fomos perguntar ao especialista em cirurgia do quadril e joelho, Dr Leandro Calil De Lazari, quais os avanços da medicina no tratamento da artrose. Segundo o especialista, a ortopedia vem evoluindo para o tratamento preventivo e conservador das doenças articulares, além das cirurgias minimamente invasivas e preservadoras como a vídeo – cirurgia.
A viscossuplementação ou infiltração do quadril com ácido hialurônico, vem ganhando destaque como opção de tratamento nos casos de artrose leve e moderada do quadril. Este tipo de tratamento já é realizado na artrose do joelho há muito anos, e começou a ser utilizado no quadril após vários estudos comprovando a eficácia do tratamento no quadril*.
A infiltração consiste na injeção do ácido hialurônico em forma de gel, que tem a função de lubrificar a articulação, promover alívio da dor e tratar da cartilagem remanescente através do aumento da produção de colágeno tipo 2. O procedimento é simples, feito com anestesia local no consultório ou hospital, e sem necessidade de internação. Observamos o alivio da dor após cerca de 30 dias da infiltração.
Além disso, podemos usar medicamentos via oral que tem ação anti-inflamatória específica para a articulação e função condroprotetora, que associados a atividade física especifica e de baixo impacto, irão promover uma melhora significativa na qualidade de vida destes pacientes.
As próteses do joelho e quadril continuam sendo uma excelente opção para os casos de artrose grave, mas observamos que com estas novas opções de tratamento estamos conseguindo postergar esta cirurgia por mais algum tempo.
* Van Den Bekerim MPJ, Rys B, Mulier M. Viscosupplementation in the hip: evaluation of hyaluronic acid formulations. Arch Orthop Trauma Surg (2008) 128:275–280.
*Abate M, Scuccimarra T, Vanni D, Pantalone A, Salini V. Femoroacetabular impingement: is hyaluronic acid effective? Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc. 2014;22(4):889–92.