fbpx

Conheça as principais lesões de cotovelo

O cotovelo é a articulação que faz a ligação entre o braço e o antebraço, e é composto por 3 ossos: ulna, rádio e úmero. Ele permite os movimentos de dobrar e de rotacionar o braço, de forma que as lesões de cotovelo impedem a realização de muitas atividades. Vamos conferir três dos principais tipos de lesão:

Epicondilite lateral ou cotovelo do tenista

O úmero, osso do braço, possui protuberâncias em sua parte inferior chamadas epicôndilos, que estão ligadas aos músculos do antebraço. O epicôndilo lateral fica localizado na parte de fora do cotovelo, e está sujeito a uma lesão chamada epicondilite lateral, conhecida popularmente como cotovelo do tenista.

Essa lesão pode ser provocada por movimentos repetitivos de extensão do cotovelo, punhos e dedos, e de supinação do antebraço (como o movimento realizado ao girar uma chave de fenda). Esse tipo de esforço pode causar microlesões que não cicatrizam de forma adequada, causando fibrose e degeneração dos tendões extensores, o que provoca a epicondilite lateral.

Dessa forma, além de praticantes de esportes como o tênis, pessoas com certos tipos de ocupação profissional, como aquelas que trabalham com máquinas ou digitação excessiva, correm maior risco. Apesar disso, essa lesão de cotovelo também se desenvolve em pessoas sedentárias, sem uma causa identificável.

A epicondilite lateral causa dores no lado externo do cotovelo, podendo irradiar para o antebraço, e perda de força na mão para segurar objetos. Os sintomas pioram com esforço.

Epicondilite medial ou cotovelo do golfista

Um processo parecido ao da epicondilite lateral pode afetar o epicôndilo medial, localizado na parte interna do cotovelo, e os tendões flexores do antebraço, que se estendem do cotovelo até o punho.

Atividades que exigem esforço repetido dos músculos flexores do antebraço, como golfe, musculação, tênis e digitação podem provocar um quadro de epicondilite medial. Apesar de ser parecida com a epicondilite lateral, é menos comum.

A epicondilite medial causa dores localizadas na parte interna do cotovelo, que podem se estender ao antebraço, de forma menos intensa, e fraqueza na mão.

Síndrome do túnel cubital 

O nervo ulnar se estende pelo braço até a mão, conferindo sensibilidade ao dedo mínimo, anelar e à lateral externa da mão. Em seu trajeto, ele passa por dentro de uma estrutura em forma de túnel no interior do cotovelo, chamada de túnel cubital.

A síndrome do túnel cubital ocorre quando o nervo ulnar é comprimido no túnel cubital, causando sensações de formigamento e dormência no dedo anelar e mínimo, dores na parte interna do cotovelo e, possivelmente, enfraquecimento da mão.

As principais causas são esforços repetitivos do cotovelo, e passar muito tempo com o cotovelo flexionado ou apoiado-se sobre ele. A síndrome do túnel cubital também pode ser provocada por outras patologias, como diabetes e artrose, fazendo com que a avaliação médica seja indispensável para definir a causa e o tratamento.

Tratamento

Por se tratar de uma articulação importante e muito sensível, lesões de cotovelo precisam ser tratadas de forma individualizada, analisando a causa, os hábitos do paciente e suas peculiaridades fisiológicas. Dessa forma, é muito importante consultar um ortopedista para que ele possa recomendar a melhor abordagem de tratamento para o seu caso.