Lesões nos menisco

Lesões no joelho são um tópico conhecido para muitas pessoas – todo mundo já passou ou conhece alguém que já tenha passado por isso. Mas o que poucas pessoas sabem é que existem várias formas de lesionar os joelhos. No artigo de hoje, vamos falar especificamente sobre as lesões meniscais.

O que são os meniscos

Menisco é o nome da cartilagem responsável por amortecer o impacto na região. Além disso, ela também é importantíssima para garantir a estabilidade do joelho. Existem dois tipos de meniscos em cada joelho: o medial, que fica na parte interna, e o lateral, que fica na parte externa.

Como é possível lesionar o menisco

As lesões meniscais podem acontecer de duas maneiras: através de traumas ou através de desgaste degenerativo. Os traumas acontecem quando o paciente sofre uma pancada na região dos joelhos. Normalmente, logo após o trauma, o paciente começa a sentir uma dor pontual no local e ter dificuldades para se locomover. 

No caso do desgaste degenerativo, a dor vai aparecendo aos poucos no cotidiano do paciente, dependendo da atividade que está sendo praticada ou da tarefa do dia-a-dia que ele realiza. As lesões no menisco costumam ser mais frequentes em pacientes com mais de 40 anos, por conta do desgaste natural das articulações e do processo de envelhecimento, que tendem a deixar cartilagens e outras estruturas do organismo mais frágeis.

Muitas vezes, as lesões no menisco podem não causar nenhum sintoma. Micro-lesões podem ocorrer no dia-a-dia sem que a pessoa perceba e, consequentemente, procure tratamento. Quando isso acontece, o desgaste natural das articulações progride mais rapidamente, aumentando o risco de lesões mais sérias no futuro.

Sintomas

Os sintomas mais comuns em casos de lesão do menisco são: dor, sensação de instabilidade, estalos frequentes, inchaço e a sensação de estar com o joelho travado.

Principais formas de tratamento

O tratamento para as lesões meniscais depende muito da origem da lesão. Em geral, lesões causadas por traumas muito fortes necessitam de correção cirúrgica. A definição do melhor tipo de cirurgia vai depender da localização e gravidade da lesão, do histórico clínico do paciente, condições gerais de saúde e também do tipo de esforço físico que a rotina exige da pessoa. 

Por exemplo: o tratamento da lesão de um atleta de alto nível vai ser diferente do tratamento de uma pessoa comum, que se machucou em um acidente pontual e não tem tanto costume de praticar esportes. Para definir a melhor forma de realizar a intervenção cirúrgica, é necessário avaliar cada caso individualmente.

No caso das lesões causadas por desgaste natural, o tratamento nem sempre requer cirurgia. Muitas vezes, o objetivo não é curar o menisco, mas diminuir os sintomas e os riscos de piora das condições da cartilagem. Para isso, o tratamento costuma envolver o uso de medicamentos, fisioterapia, infiltrações e exercícios de fortalecimento, que assim como no caso de tratamento cirúrgico, precisam ser avaliados de maneira individual, levando em consideração os aspectos pessoais e cotidianos do paciente.

Diagnóstico

O diagnóstico da lesão meniscal pode ser feito através de exame clínico no consultório e análise do histórico de hábitos do paciente. Em alguns casos, a confirmação do diagnóstico pode ser feita através do exame de ressonância magnética.